Gadget 1

Leia mais Expoflora 2018 - Holambra

Gadget 2

Leia mais Lugares para visitar no Bairro da Liberdade
Leia mais Criei um brechó online

Bienal do livro de São Paulo 2018: uma experiência incrível



Dia 17 de agosto começou a bienal do livro em São Paulo e essa foi minha quarta vez no evento. Confesso que antes da bienal eu não estava tão animada assim, mas foi só ir um dia que eu senti a magia de estar num lugar cercada de livros, amigos e autores especiais, e acabou que eu fui os dois finais de semana e ainda queria mais.

Achei que a bienal esse ano estava bem menor que as outras edições e rapidinho eu consegui ver tudo, faltaram estandes famosos como a Saraiva que dominava boa parte do espaço e esse ano nem sinal. Mas achei que os estandes presentes capricharam bastante no visual. Se você foi na bienal deve ter visto o sufoco que era tirar uma foto no túnel da Intrínseca ou uma foto na cadeirinha da Papel Pólen. Eu mesma fiquei lá na fila por um bom tempo e esses dois estão de parabéns. Mas eu também amei a Plataforma 21 e visitei eles várias vezes durante esses dias.


Os preços também estavam muito bons em boa parte das editoras. Não sei se foi a crise, mas eu senti que eles deram uma abaixada no preço e muitos livros estava mais baratos que a própria amazon. Eu vou fazer um post completinho sobre minhas compras, mas eu voltei com 9 livros pra casa e quase todos foram 10 reais cada nos sebos da bienal. Só dois que eram lançamentos e eu paguei 25 e super valeu a pena.


Agora o que eu mais gostei foi ver que os autores nacionais tiveram MUITO destaque nessa bienal. Eu nunca fui muito de gostar de livro nacionais e clássico porque a ideia que eu tinha na minha cabeça era que esses livros eram chatos. Esse ano eu pude ver que eu estava completamente enganada (pelo menos em relação aos nacionais). Se você me segue no twitter ou instagram deve ter visto que eu comprei vários livros nacionais recentemente e eu estou amando conhecer mais sobre esse universo. Acho que os livros do Vitor Martins fizeram isso comigo. Depois veio a Iris Figueiredo com um livro jovem e cheio de sentimentos, a Larissa Siriani com um romance de época, a Mel Geve com um título super engraçado, Fernanda Lia com um romance ao invés de suas tirinhas e eu só posso dizer que os autores nacionais estão mudando essa coisa de que livro nacional é chato. Nessa bienal eu vi e revi vários desses autores e foi só amor. 💚 Assim como eu vi filas para autógrafo, jovens lendo e comprando os livros, editoras apostando neles e isso me da um quentinho no coração.


Além dos autores eu também conheci muita gente legal nesse meio. As amigas da Ana, Jana e Mayara que agora viraram minhas amigas também. A Ceile que eu não via a muito tempo, a Dayukie que eu conheci na fila para assistir a pré-estreia de "para todos os garotos que já amei". O Alan também foi comigo num fim de semana e foi nossa primeira bienal juntos, hihih. Sério, essa bienal foi muito incrível!

Também realizei meu sonho de princesa conhecendo David Levithan e tirando uma fotinho com ele. Foi tudo muito rápido mas eu fiquei muito feliz por esse momento. Já li vários livros dele e "Todo Dia" roubou meu coração. Inclusive, ganhei um ingresso para assistir o filme então logo vai sair resenha por aqui. 


Acho que esse foi um bom resuminho de como foi a bienal. Eu fui todos os dias com a Ana do Vivendo entre Palavras porque claramente nascemos grudadas e foi muito divertido. Tiramos muitas fotos, compramos bastante coisa, distribuímos marcadores e vimos de pertinho pessoas que a gente admirava só pela internet. Para mim essa foi a bienal mais especial de todas e esses dias foram loucos! HAHA

Um agradecimento especial a Ana, Jana e Lucas que tiraram as fotinhos nos celular e câmeras deles já que o meu não colabora. <3

Essa semana ainda terão posts especiais com o encontro de blogueiros da Intrínseca, minhas comprinhas e resenha do filme para todos os garotos que já amei que estreia nessa sexta feira dia 17. 

Acompanhe também no: