01 novembro 2013

Desabafo: eu não sou aquilo que eu leio

(imagem: melina souza)

Ultimamente eu tenho sofrido um certo preconceito por aquilo que eu leio e eu percebo que isso é no geral. Parece até que a gente tem que ter uma regra para ler e ler somente um determinado tipo de livro para ser uma pessoa normal e isso é lamentável.

Outro dia enquanto eu voltava da faculdade lendo "Bruxos e Bruxas" no metrô, o rapaz que estava sentado do meu lado começou a olhar para a capa do livro, olhava os títulos dos capítulos, via aquele "nova ordem" da capa e começava a fazer caretas. Daqui a pouco ele começou a rezar um terço olhando para mim, abriu um livrinho de oração e ficou la rezando e me encarando. Eu até fechei o livro e fiquei lá quieta mas ele continuo olhando o livro e fazendo cara feia. Daqui a pouco falou "aff, pelo amor de deus". Levantou e sentou no banco da frente e ficou lá me olhando como se eu fosse o pior ser humano da face da terra. De tão absurdo que foi a cena eu até achei engraçado, mas percebi que as pessoas te julgam por aquilo que você lê.

Aí essa semana na faculdade eu estava com o livro "Laços de Sangue" na mão para ler e uma pessoa pediu para ver o livro e perguntou do que que era, eu falei que era de alquimia, de vampiros e etc. A pessoa ficou meio assim e falou "Você sabe que isso influencia né? Você lê essas coisas ruins e isso influência, te passa coisa negativa. Até fiquei com medo de você agora" Foi na brincadeira, mas, mais uma vez eu percebi que você é julgado por aquilo que você lê.

E a única coisa que eu penso disso tudo é: eu posso ler um livro de bruxa, de vampiro, de assassinato e o que for, mas isso não quer dizer que vá fazer esse tipo de coisa por ai. Eu posso ler quadrinhos, mangás e HQs e isso não quer dizer que eu seja criança. Se eu ler cinquenta tons de cinza não quer dizer que eu seja safada ou qualquer coisa do tipo... E eu acho que as pessoas precisam entender isso. Existe uma grande diferença entre livros e a vida real  entre as coisas que lemos e as coisas que fazemos.

Enfim, eu não sou aquilo que eu leio. 

É isso, espero que tenham gostado!
  1. Sabe, eu não leio coisas assim porque não gosto mesmo!!
    Prefiro aventuras, romance :) algo mais leve....

    ResponderExcluir
  2. nossa eu achei o seu texto muito bom e me identifiquei muito tanto pq leio coisas que nao tem nada a ver cmg tanto pq costumo julgar as pessoas pela capa do livro
    axo que isso de julgar os outros pelo o que leem nao tem nada a ver pq os livros tbm servem pra nos apresentar mundos que nao conhecemos!
    eu tbm nao sou o que leio kk
    seguindo:)
    bjs

    thereasonwebnovela.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Bia isso acontece demais!
    Na verdade, hoje em dia tudo é motivo para as pessoas nos jugarem. Se lemos romances, somos ingenuas, se lemos sobre assassinatos somos obcecadas, se lemos sobre vampiros somos loucas. As pessoas jugam demais, o tempo todo. A gente só não pode deixar de ser quem é por conta disso. Eu também não sou o que eu leio, mas se fosse, não seria tão ruim assim, leio boas obras, de bons autores, independentemente da história. A leitura nos engrandece. Eu adoro que tu lê, amo as resenhas! E amei o desabafo :D

    ResponderExcluir
  4. Nossa, super me identifiquei com seu texto, minha mãe ficou brava comigo quando chegou meu Bruxos e Bruxas, odeio esses preconceitos bobos. Mas se formos nos deixar levar pela opinião dos outros não fazemos mais nada. Você tem que ler sim de tudo pra ter uma opinião sobre o mundo, pra ter a cabeça aberta, isso não te faz uma pessoa melhor ou pior.
    ADOREI seu blog, é uma graça. Estou seguindo e te desejo muito sucesso.
    Beijos!
    http://vidadaleitora.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. É isso ai Bia, toda razão, agente não é aquilo que lemos.
    Quando estava lendo Fazendo meu Filme (que é um livro romântico) minhas irmãs ficavam me enchendo o saco só porque é romântico e eu não gosto de coisas românticas, sabe.. ?
    Afffe, se eu fosse você xingava esse povo, começar a ler o terço já é demais né :s
    Mas, adorei o texto. Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Esse "tio" do trem merecia uma livrada na cabeça hein?
    Eu tô cansada desses julgamentos também.
    Continue lendo e leia MUUUUUUUUUITO.

    Beijos
    Fernanda - Leitora Incomum

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Merecia mesmo Fê. hahahaha
      Opa, pode deixar. Não vou deixar de ler meus livros por causa dessas pessoas. <3

      Beijos!

      Excluir
  7. Olá,
    Passando pela primeira vez aqui...
    Menina que coincidência eu estava falando sobre isso esses dias no FB. Gosto muito de romances eróticos e uma menina perguntou rm um grupo se valia a pena ler 50 Tons de Cinza, eu disse que apesar dos pesares eu havia gostado de lê-lo. Uma pessoa disse nos comentários que era livro de puta...
    Pera aí se eu virar puta por ler livro erótico vou virar canibal por ler Hannibal? Vampira por ler The Vampire Diaries? Vou me transformar em uma nazista por ler a biografia de Adolf Hittler?
    Certamente que não.
    Lembro-me da época da escola quando li em um livro didático que um bom crítico literário é aquele que consegue tirar o melhor que uma obra tem a oferecer. Devemos saber reconhecer os defeitos, mas saber sobressair as qualidades.
    Nós somos o que lemos quando captamos boas mensagens, sejam elas de qual livro for, e moldamo-as para as nossas vidas.
    Desculpa se me estendi demais.
    Bjo
    Néury
    http://entreversoseparagrafos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Néury, adorei seu comentário e não precisa se desculpar por isso. :D

      Poxa não entendo o que esse povo tem na cabeça para achar que se a gente ler um determinado livro a gente vai ser aquilo que o livro fala. E que preconceito, né? Eu sempre vejo esse tipo de coisa quando alguém fala de 50 tons. É lamentável.

      Beijos!

      Excluir
  8. Já passei por uma situação bem similar a sua com bruxos e bruxas, mas no meu caso estava estudando para uma prova da faculdade de psicologia e o texto se chamava "teoria do orgasmo", só sei que a senhora que estava do meu lado pegou uma folha de orações e começou a rezar do meu lado e ficava olhando pra minha cara, resultado: perguntei se ela queria ler meu texto também... não sei pq ela mudou de lugar rsrsrsrs

    Infelizmente isso acontece muito.

    bjos

    pah - Lendo e Escrevendo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai meu deus! Morri de rir aqui. UASHAUSHUHAUHSUAHSUAHS

      A vida tem dessas né? Fazer o que ... :(

      Beijos!

      Excluir
  9. Realmente você disse tudo.
    As pessoas julgam principalmente por gostar de livros eróticos e livros sobrenaturais.
    O mais triste é que essas pessoas que julgam não são capazes de ler uma página de livro algum.
    E a propósito, eu teria enfiado Bruxos e Bruxas na cara desse retardado. UAEHAUHEUAHEUA

    bJS
    http://rotinadafelicidade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Clap! Clap! Clap! Parabéns por ter escrito esse texto, vejo muito essas situações acontecendo por aí! Se você lê livros te teoria, vc é culto e tudo o mais. Se lê livros de fantasia, tem problema na cabeça. Acho que tem pessoas que pensam que não se pode ser uma pessoa NORMAL e querer ler livros que nos tiram do "normal". Aliás, essas pessoas assistem TV e novela? A TV é muito PIOR que um mero livro, pois nem cultura ela agrega, ao contrário do livro. Enfim, acho q essas pessoas preconceituosas nem sabem o que é um livro, quem dirá entender o que é ficção e que não, nós não viraremos crimonosos e malucos lendo, por exemplo, Bruxos e Bruxas (que, por sinal, é um livro ótimo). E concordo com o pessoal que comentou: esse retardado do metrô merecia uma surra (mas não de livro, pois ia estragar o livro, hahaha!)
    Beijo!

    ResponderExcluir
  11. Já passei por isso várias vezes! Meus amigos vivem falando sobre as capas dos livros, que tal coisa é muito sombria e que eu devia ler coisas de "gente normal". Na hora eu fico bem bolada mas depois acabo esquecendo! Acho que isso não tem nada a ver, independente do gênero do livro ou da capa, o livro é seu e você pode ler onde quiser, e quem não estiver satisfeito, bom fique incomodado sozinho.

    http://alguns-livros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Você falou direitinho, e é o certo. Mas lembre-se: nossos gostos definem quem nós somos, nossas escolhas são o que SOMOS, fazem parte de nós. Então isso de não sou definida pelos livros que leio eu não creio, eu sou definida por aquilo que gosto sim, e isso é cientificamente provado, o que não é certo é o julgamento ofensivo e a falta de escrúpulos das pessoas em não poderem entender e nem sequer respeitar aquilo que é diferente dos gostos e delas e do que elas são. Mas fique sabendo que somos o que lemos sim, somos o que escutamos, somos o que assistimos e somos o que comemos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo em partes com o que você falou, mas eu acho que a gente é bem mais que isso.

      Beijos!

      Excluir
  13. Nossa, nunca passei por uma situação tão explícita de julgamento assim. Esses dias vi um cara todo atlético e tal com um livro do Harry Potter, olhando pra ele eu não diria que ele lê esse tipo de coisa haha ,achei super legal e fiquei surpresa. Claro que temos alguns estereótipos, mas essas coisas de influência, ou esse caso da pessoas que ficou rezando ... uma pena que essas coisas aconteçam!

    beijos,
    www.moniitorando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Concordo plenamente com você, não é porque voce gosta de um livro que você vai ou é aquilo do livro, simplesmente são gostos. Gostei do final não é porque vc ler cinquenta tons de cinzas que se é safada, é apenas uma leitura num é verdade. Adorei o post. http://oneofff.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Primeiro: adoro as fotos que você coloca nos posts! ;)
    E sobre o que escreveu, que coisa, heim! Nunca passei por situações assim. Acho que "respeito" é a palavra chave, coisa que faltou bastante no carinha do metrô.

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, obrigada Carla!

      Pois é, também acho. :(

      Beijos!

      Excluir
  16. Gente, mas isso já é fanatismo. Bruxos e vampiros são seres mágicos, e existem até na literatura clássica: Anne Rice(Entrevista com o Vampiro), Conde Drácula e Contos de Grimm. É ficção, as pessoas levam isso muito a sério. Bom, aqui pelo menos o povo gosta bastante. Tudo depende do meio em que se está também. Por exemplo: em uma escola adventista ou batista seria julgado como espiritismo, e forças negativas, etc.
    Eu gosto de livros mais clássicos e históricos,e as pessoas julgam que eu devia ler livros mais atuais e contemporâneos. Bom, a questão é respeitar.
    Beijos <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lari. Obrigada pelo comentário.
      Também acho que isso é puro fanatismo e acho uma pena as pessoas pensarem desse jeito. Aqui o pessoal também gosta bastante. Na minha sala pelo menos a maioria é nerd e todo mundo gosta de coisas do tipo, mas a gente sempre acaba encontrando pessoas que não gostam pelo caminho, né? Uma pena!

      Beijos!

      Excluir
  17. Hey! Eu de novo :X
    Só pra dizer que te indiquei para um selinho: http://moniitorando.blogspot.com.br/2013/10/liebster-award.html

    e que tem sorteio lá no blog :3

    ResponderExcluir
  18. Passei por isso uma vez. Estava viajando e uma senhora sentou-se na cadeira ao meu lado. Eu estava lendo um livro evangélico, sobre a influência do satanismo nos jovens norte-americanos. Falava sobre alguns casos de práticas satânicas, simbologias, músicas e etc. O livro foi escrito por uma pastor americano. Enfim, qdo eu fechei o livro, que a senhora olhou para a capa e viu o nome SATANISMO, ela simplesmente se levantou da cadeira e sentou em outro lugar =( Muito bom esse seu testemunho, realmente nós somos julgados por cada coisa... Bjos

    ResponderExcluir
  19. Que loucura!

    Nunca passei por isso, mas imagina só se alguém me julgasse pelos mangás e livros que leio: eu poderia ser uma aluna na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, poderia ter passado por um ritual e escolhido uma das cinco facções pra viver seguindo um único e predeterminado estilo de vida dentro de uma sociedade pra sempre, poderia ser um titã infiltrado nas muralhas da humanidade, poderia ser uma garota sortuda que ganhou um intercâmbio pra Inglaterra e sonha ser cineastra, sei lá, poderia até ser um mangaká gay. LOL IUASHAUISHA

    No way, esse preconceito tem que acabar! Adorei o texto, espero que ~certos~ carinhas que andam julgando os outros dentro do transporte público deem uma passadinha aqui, vai que a fixa cai?

    Beijos, Bia!
    Te vejo no Twitter. *u*

    ResponderExcluir
  20. Eu já percebi isso também.

    Tenho um primo que recentemente virou evangélico (aliás, eu também sou) foi na minha casa falar com minha avó e eu não estava. Eu deixo minha estante de livros na sala e, segundo minha irmã, ele ficou olhando e balançando a cabeça. Eu tenho a coleção Fallen e tem o livro "Tormenta", quando ele viu começou a falar que eu estava atraindo o mal e sei lá mais o que, sem nem saber a história do livro.
    Eu gosto de todo o tipo de livro e vivo lendo no ônibus. Acho que comigo não acontece muito de as pessoas ficarem olhando porque eu vivo de cara feia. HAHA

    A pessoa já ta se intrometendo e ainda quer ter razão, sefude. HAHA

    http://untilwe-die.blogspot.com

    ResponderExcluir