Gadget 1

Leia mais Os 27 crushes de Molly - Becky Albertalli

Gadget 2

Leia mais Inauguração da Muji em SP, sebo e passeio pelo Sesc Paulista
Leia mais Snow - Novo álbum de Angus & Julia Stone

Bienal do livro de São Paulo 2018: uma experiência incrível



Dia 17 de agosto começou a bienal do livro em São Paulo e essa foi minha quarta vez no evento. Confesso que antes da bienal eu não estava tão animada assim, mas foi só ir um dia que eu senti a magia de estar num lugar cercada de livros, amigos e autores especiais, e acabou que eu fui os dois finais de semana e ainda queria mais.

Achei que a bienal esse ano estava bem menor que as outras edições e rapidinho eu consegui ver tudo, faltaram estandes famosos como a Saraiva que dominava boa parte do espaço e esse ano nem sinal. Mas achei que os estandes presentes capricharam bastante no visual. Se você foi na bienal deve ter visto o sufoco que era tirar uma foto no túnel da Intrínseca ou uma foto na cadeirinha da Papel Pólen. Eu mesma fiquei lá na fila por um bom tempo e esses dois estão de parabéns. Mas eu também amei a Plataforma 21 e visitei eles várias vezes durante esses dias.


Os preços também estavam muito bons em boa parte das editoras. Não sei se foi a crise, mas eu senti que eles deram uma abaixada no preço e muitos livros estava mais baratos que a própria amazon. Eu vou fazer um post completinho sobre minhas compras, mas eu voltei com 9 livros pra casa e quase todos foram 10 reais cada nos sebos da bienal. Só dois que eram lançamentos e eu paguei 25 e super valeu a pena.


Agora o que eu mais gostei foi ver que os autores nacionais tiveram MUITO destaque nessa bienal. Eu nunca fui muito de gostar de livro nacionais e clássico porque a ideia que eu tinha na minha cabeça era que esses livros eram chatos. Esse ano eu pude ver que eu estava completamente enganada (pelo menos em relação aos nacionais). Se você me segue no twitter ou instagram deve ter visto que eu comprei vários livros nacionais recentemente e eu estou amando conhecer mais sobre esse universo. Acho que os livros do Vitor Martins fizeram isso comigo. Depois veio a Iris Figueiredo com um livro jovem e cheio de sentimentos, a Larissa Siriani com um romance de época, a Mel Geve com um título super engraçado, Fernanda Lia com um romance ao invés de suas tirinhas e eu só posso dizer que os autores nacionais estão mudando essa coisa de que livro nacional é chato. Nessa bienal eu vi e revi vários desses autores e foi só amor. 💚 Assim como eu vi filas para autógrafo, jovens lendo e comprando os livros, editoras apostando neles e isso me da um quentinho no coração.


Além dos autores eu também conheci muita gente legal nesse meio. As amigas da Ana, Jana e Mayara que agora viraram minhas amigas também. A Ceile que eu não via a muito tempo, a Dayukie que eu conheci na fila para assistir a pré-estreia de "para todos os garotos que já amei". O Alan também foi comigo num fim de semana e foi nossa primeira bienal juntos, hihih. Sério, essa bienal foi muito incrível!

Também realizei meu sonho de princesa conhecendo David Levithan e tirando uma fotinho com ele. Foi tudo muito rápido mas eu fiquei muito feliz por esse momento. Já li vários livros dele e "Todo Dia" roubou meu coração. Inclusive, ganhei um ingresso para assistir o filme então logo vai sair resenha por aqui. 


Acho que esse foi um bom resuminho de como foi a bienal. Eu fui todos os dias com a Ana do Vivendo entre Palavras porque claramente nascemos grudadas e foi muito divertido. Tiramos muitas fotos, compramos bastante coisa, distribuímos marcadores e vimos de pertinho pessoas que a gente admirava só pela internet. Para mim essa foi a bienal mais especial de todas e esses dias foram loucos! HAHA

Um agradecimento especial a Ana, Jana e Lucas que tiraram as fotinhos nos celular e câmeras deles já que o meu não colabora. <3

Essa semana ainda terão posts especiais com o encontro de blogueiros da Intrínseca, minhas comprinhas e resenha do filme para todos os garotos que já amei que estreia nessa sexta feira dia 17. 

Acompanhe também no:


Conhecendo o Café Snoopy em São Paulo


Desde que eu vi a notícia de que teria um Café Snoopy aqui em São Paulo eu fiquei doida para ir. Fui no fim de semana da abertura do café e fiquei um pouco decepcionada por ter não ter encontrado as opções temáticas de doces e salgados.

Eu fui com meu namorado e nós pedimos um suco, um pão de batata e um docinho bicho de pé só para não perder a viagem até lá. Mas eu queria mesmo as panquecas fofinhas e os tostex que vem com a carinha dos personagens. A moça me informou que não tinha ainda e só chegaria na próxima semana. Mas já se passaram duas semanas e pelo que eu vejo no instagram ainda não tem nenhum desses itens. :(


Apesar desse detalhe dos produtos, eu achei o café muito fofo! Ele é todo decorado e até o relógio é temático. Tem algumas pelúcias e canecas da turminha para quem quiser trazer uma lembrança para casa. Pirulitos e chocolates decorados e muito fofos que eu achei uma ótima opção de presente. 

O preço das comidas ok para um café temático e quero voltar lá de novo quando chegar as panquecas que eu achei muito fofas e já quero muito experimentar. Acho que o café tem tudo para dar certo e vi que o pessoal estava bastante animado com essa notícia nas redes sociais. Mas ainda precisa melhorar no atendimento e da demanda dos produtos que estavam quase todos esgotados e meio bagunçados na vitrine.

Momento nostalgia: eu lembro que tinha um Café Hello Kitty no shopping Bourbon em SP e eu fui conhecer quando eu era mais nova e igual ao do Snoopy ele era a coisa mais fofa. Eu fiquei super empolgada e pedi as coisas mais temáticas possíveis de lá, me senti criança de novo. hahaha 

Nossa comprinha: bicho de pé (5,00), suco (6,00) e pão de batata que não apareceu na foto (8,00).

Café Snoopy
Av. Roque Petroni Júnior, 1089 - Vila Gertrudes, São Paulo - SP, 04707-900
Shopping Morumbi - 1º piso

Acompanhe também no:

Os incríveis 2


A família de heróis preferida está de volta em ‘Os Incríveis 2’. Dessa vez, Helena é quem assume os holofotes, deixando Roberto em casa com Violeta e Flecha para conduzir o heroico dia-a-dia de uma vida “normal”. É uma transição difícil para todos, que se complica ainda mais tendo em vista que a família ainda não sabe dos superpoderes do bebê Zezé. Quando um novo super vilão traça um plano perigoso e brilhante, a família e o Gelado precisarão encontrar um jeito de trabalhar juntos novamente – o que é mais fácil de dizer do que de colocar em prática, mesmo todos eles sendo realmente incríveis.

Quatorze anos depois finalmente eu voltei ao cinema para a assistir a continuação do incríveis e o mais incrível de tudo é que depois de anos, eles voltaram exatamente de onde termina o primeiro filme.

Dessa vez quem vai encarar o mundo dos vilões é a Helena e isso já mostra que o filme tem representatividade. Inverteu os papeis do homem e mulher e hoje quem fica em casa cuidando dos filhos é o senhor Incrível. Essas cenas foram muito engraçadas porque mostra o quanto ele não leva jeito para isso, mas se esforça ao máximo para agradar os filhos.

Existe uma disputa entre o casal e é claro que nenhum quer sair por baixo, então a critica ao machismo não se torna aquela coisa chata e massante.


Outra coisinha fofa que rouba a cena é o baby Zezé que dessa vez está cheio de poderes e foi quem arrancou risada de quem assistia. Ele com a tia Edna é uma comédia! Muita gente falou que ele salvou o filme, mas eu não concordo. Acho que as cenas dele foram muito legais mas foi tão nostálgico que eu amei tudo.


Se você for um adulto que esperava pela continuação desse filme tenho certeza que vai sair de lá com aquele quentinho no coração. O filme é muito divertido e cheio de conflitos familiares, românticos e é claro, conflitos entre heróis e vilões. Acho que teve de um pouco e na medida certa.

Outra coisa bem interessante foi que o filme parecia até brasileiro porque tiveram muitas criticas sobre politica e eu fiquei CHOCADA. Muitas mesmo e que faz total sentido. Prestem atenção nessa parte e depois me contem o que acharam.

Acompanhe também no: