Gadget 1

Leia mais Expoflora 2018 - Holambra

Gadget 2

Leia mais Inauguração da Muji em SP, sebo e passeio pelo Sesc Paulista
Leia mais Criei um brechó online

Blog, livros e bads


Outra dia eu estava pensando e eu percebi que estava longe do blog. Depois da bienal do livro eu praticamente deixei o blog de lado, mas o tempo todo eu estava pensando que devia escrever algo, tirar foto e continuar divulgando para ter mais resultados e isso foi meio que por água a baixo. Acho que mesmo gostando muito do blog, eu não tenho muita paciência ou conhecimento para tornar ele algo realmente grande e do jeito que eu sempre imaginei. Mas ao mesmo tempo eu gosto de escrever e compartilhar um pouco de mim com vocês.

Mas apesar de estar longe do blog eu tenho feito bastante coisa legal. Tenho saído e feito mais coisas diferentes com o Alan e acho que isso ajuda muito o relaciomento. É preciso ter uma rotina, mas as vezes é mito bom sair da rotina, passar mais tempo junto e fazer atividades diferentes. Eu não tenho muita experiência nessa coisa de relacionamento então estamos tentando fazer dar certo do nosso jeito e sempre tentando melhorar o que pode ser mudado. Do mesmo jeito que eu tenho tentando cuidar melhor das minhas amizades e cada dia mais eu e a Ana estamos mais conectadas e grudadas.

Também tenho estudado bastante para uma prova importante que vou fazer mês que vem e eu caio numas bads ocasionais por conta disso. As vezes é meio louco a gente pensar que temos que fazer algo hoje para definir toda a nossa vida. Ou no meu caso, dar algum sentido nela. Eu sei que não sou a única perdida em relação a emprego e futuro, mas é um assunto que acaba comigo. Já falei disso algumas vezes nas redes sociais e a cada dia eu tenho mais vontade de cuidar da minha saúde mental. Por conta de todos os problemas, do estresse e toda pressão que eu coloco em mim, tem dia que eu acho que vou morrer de tanto pensar e isso me da um medo absurdo. Tenho muito medo de acabar realmente me afundando numa dessas bads porque eu tenho vários amigos que estão passando por isso e sei o quanto é difícil sair.

Por esses motivos eu tenho tentando me manter mais positiva e ocupada. Fiquei viciada em ouvir Foster the People e sempre que eu percebo que estou caindo no limbo do desânimo eu coloco alguma música deles e na mesma hora já sinto uma coisa boa e uma vontade louca de viajar o mundo ou de sair dançando por aí. Assisti a algumas séries e fimes nos últimos dia e também li alguns livros muito bons recentemente e já preparei resenha deles para vocês. Eu comprei tanta coisa na bienal e pós bienal que vou ter livro para ler durante o ano inteiro. Voltei a ler meus blogs favoritos e já peço desculpas para quem não recebeu um comentário meu nos últimos tempos. Mas estou tentando voltar a ativa no mundo dos blogs. Até comprei um caerninho novo para fazer todo um planejamento de conteúdo e acho que isso vai me ajudar bastante a continuar motivada a escrever e levar o Prateleira Colorida para frente. 

Eu sei que esse texto talvez não tenha feito muito sentido ou tenha ficado um pouco dramático demais mas foi uma forma de contar para vocês o que tem acontecido do lado de cá e dizer que tá tudo bem você não fazer tudo que gostaria. Tá tudo bem se sentir tristinho de vez em quanto e tá tudo bem tentar mudar as coisas. Inclusive, essa é a melhor coisa que a gente faz. Mudar o que não está legal e começar (ou continuar) tudo de novo.

Acompanhe também no:

Expoflora 2018 - Holambra

Holambra é um município brasileiro do estado de São Paulo e microrregião de Campinas, fundada em 14 de julho de 1948. Seu nome, junção de Holanda, América e Brasil, se dá em virtude da colônia neerlandesa que se firmou na antiga fazenda Ribeirão. A cidade destaca-se por ter o 61° índice de qualidade de vida do Brasil e por ter o melhor índice de segurança do país. Com mão de obra qualificada no setor agrícola, o município destaca-se como o maior centro de produção de flores e plantas ornamentais da América Latina. Holambra é considerada oficialmente uma estância turística e anualmente promove a maior exposição de flores da América Latina

Não sei como eu conheci Holambra mas já tinha um bom tempo que eu via as fotos da Expoflora e ficava apaixonada. Conversando com a Ana do Vivendo entre Palavras ela também falou que tinha muita vontade de ir então começamos a organizar essa viagem.

A gente organizou tudo certinho mas no final a gente foi, estava no mesmo lugar e não conseguimos nos encontrar. Eu fui com o Alan e a família dele de carro, e a Ana foi com a família de ônibus então a gente ia se encontrar lá para tirar muitas fotos e andar juntas, mas o plano foi por água abaixo graças ao sinal fraco de lá, hahaha.

Eu nunca tinha ido para Holambra e achei a cidade muito fofa! Tudo muito arrumadinho e tinha flores em todos os lugares. O evento mesmo é lotado de flores, paisagismo, decoração e vários espaços legais para tirar foto.


No lugar do evento tinham muitas opções de comidinhas Holandesas, doces, gelatos e muita cerveja como vocês podem ver. Eu não bebo mas achei muito lindo esse caminhão da Amstel e para quem é fã, deve ter sido muito boa a experiência.

Também tinha muita lojinha de decoração, roupas e um shopping de flores onde a gente fez a festa lá. Eu comprei uma suculenta muito fofa e um pé de pimenta, mas eu vi muita orquídea diferente e muitas opções de bonsai, um mais fofinho que o outro. <3


E por fim, a parte mais esperada do evento: a chuva de pétalas. Essa chuva tem duração de 3,5 minutos e é muito legal! Eu parecia uma criancinha vendo tudo cair em cima da gente e segundo a lenda, se alguma pétala cair em você significa sorte e você pode fazer um pedido. hihihi


A expoflora vai até dia 23 de setembro então fica a dica para quem quer um passeio legal e diferente. Para mais informações e ingressos acesse o site: http://www.expoflora.com.br/

Acompanhe também no:

Dias de despedida - Jeff Zentner

Dias de despedida foi escrito por Jeff Zentner, publicado pela Editora Seguinte e possui 392 páginas.

“Cadê vocês? Me respondam!” Essas foram as últimas palavras de Carver para seus amigos. Eles estavam todos no carro e Mars que estava dirigindo perdeu o controle do carro ao ler a mensagem de seu amigo.

Depois dessa mensagem Carver nunca mais foi o mesmo e agora convive com a dor de perder seus três amigos ao mesmo tempo, além de se sentir culpado por tudo que aconteceu.Fora que o pai de Mars que é juiz quer abrir um processo contra ele já que existe uma lei nos Estados Unidos que diz que se você faz alguma coisa sabendo que ela pode resultar em um desastre, você é culpado. E se for pensar dessa maneira Carver devia saber que seu amigo podia olhar a mensagem dele enquanto estava dirigindo.

Coisa que eu discordo totalmente. Se Mars que estava dirigindo leu uma mensagem ao volante é a culpa é só dele e de mais ninguém. 

Mas voltando a falar sobre o livro, eu li ele em leitura conjunta com a Ana do Vivendo entre Palavras e amei cada página dele.


Eu gosto muito de livros trágicos e assim que eu li a sinopse eu soube que gostaria do livro. Teve a FLIPOP em São Paulo e eu vi que o autor viria então eu e a Ana corremos para comprar o livro e ler até o dia do evento e acabamos o livro em 2 dias.

Foi um livro que me tocou muito e eu amei acompanhar os dias de despedidas do livro. Essa ideia de ter um dia de despedida veio da vovó Betsy que era avó de um dos garotos que morreu no acidente e eu não vou falar muito sobre isso mas é de arrepiar. O dia todo consiste em basicamente fazer coisas que ela geralmente faria com neto, só que com Carver e é muito lindo.

Depois que eu li essa parte da vovó eu me desidratei de chorar porque a morte é uma coisa muito louca, né? Eu sempre tiver medo da morte, mas acho que eu tenho mais medo de ver alguém que eu gosto morrendo do que eu mesma. Fiquei pensando muito em quando eu perder meu pai, por exemplo, que é a pessoa que eu sou mais ligada aqui em casa e foi um momento meio tenso ali na leitura.

Mas o livro também tem momentos divertidos em que Carver vai nos mostrando quem era a "trupe do molho" nome do grupinho dele e dos meninos. Eu tinha comentado com a minha amiga que eu estava achando aqueles meninos tão babacas no começo da história, mas ao longo do tempo eu conseguir entender cada um deles e enxergar os motivos para serem assim ou assado. 

Carver foi o que eu menos me conectei durante a história e tem uma cena em que ele é 100% escroto com a Jesmyn que é amiga dele e era ex namorada de um de seus amigos e se eu já não gostava tanto dele assim, eu acabei gostando menos ainda.

Dias de despedida foi uma leitura muito boa mesmo e eu recomendo demais! Mexeu muito comigo e eu fiquei presa em todos os momentos da história. Conhecer mais sobre os meninos, sobre a vovó Betsy que foi a melhor pessoa desse livro e o jeito que terminou também foi muito bom. Acho que não preciso nem dizer que eu recomendo, né?

E como eu tinha dito ali em cima, eu comprei porque o autor viria na FLIPOP e eu consegui pegar autógrafo e conversar um pouquinho com ele sobre o que eu tinha achado do livro. Achei ele muito atencioso e como ele já morou aqui no Brasil ele falava português então foi um alivio para mim poder conversar sem me tremer toda tentando falando inglês, hahaha. :P


Acompanhe também no: